Cães da terceira idade também precisam de exercício. Saiba que cuidados tomar - Pet é pop
  • Cães da terceira idade também precisam de exercício. Saiba que cuidados tomar

    Encontrar exercícios para que seu cão sênior continue ativo e saudável faz parte de uma guarda responsável. Não é porque o seu pet entrou na terceira idade que ele não pode participar de atividades divertidas que o ajudem a se manter estimulado física e mentalmente.

    Se você deseja começar um plano para modificar o regime de exercícios para que fique de acordo com a idade do seu cão, siga essa lista de recomendações. Ela foi preparada pelo site Pet MD, feito por e para veterinários.

     

    1 – Comece por uma visita ao veterinário

    Embora exista variações de acordo com a raça e o tamanho, um cão é considerado sênior numa idade que vai de 7 a 9 anos, segundo o doutor Jeff Werber, um veterinário do VCA Century Veterinary Group, com sede em Los Angeles.

    Para um animal nessa fase da vida, provavelmente o veterinário irá recomendar exames radiológicos e de sangue. Isso incluirá uma investigação detalhada da condição das articulações, ossos, coração, tonificação muscular, pulmões e rins.

    Os resultados desses exames vão dizer muito sobre os exercícios recomendáveis e a capacidade de o cão idoso executá-los.

    Com os testes nas mãos, o veterinário também pode recomendar suplementos para as juntas do animal. Exemplo é o Condroplex, que contém condroitina e glicosamina. Outras opções para melhorar a saúde das juntas levam ácidos graxos ômega 3.

    Aproveitando a visita ao veterinário, peça orientações sobre as melhores atividades e exercícios para o seu cão, além da duração e da intensidade,

    Monte uma agenda com as próximas visitas ao veterinário, até porque as capacidades do pet sênior podem ir mudando com o avançar dos anos. Isso vai ajudar o seu animal a ter a vida mais longa e saudável possível.

    Visitas frequentes ajudam a “diagnosticar os problemas mais cedo e chegar a resultados melhores no tratamento”, diz a veterinária Jennifer Mathis, do Family Pet Veterinary Center, que tem filiais no estado de Iowa.

     

    2 – Cuide da dieta
    Pexels

    A obesidade é a doença nutricional número 1 a afetar cães de qualquer idade. Se o seu animal estiver acima do peso, isso pode prejudicar ainda mais a sua capacidade de se exercitar.

    O peso extra também provoca uma carga excessiva em músculos, ossos e articulações, além de sobrecarregar o sistema respiratório e trazer o risco de diabetes. São problemas que podem afetar todos os pets, mas são especialmente danosos naqueles com mais idade.

    Fale com o seu veterinário sobre um plano nutricional e exercícios que ajudem seu cão a atingir o peso ideal. Isso ajuda a resolver alguns problemas sem a necessidade de medicamentos.

     

    3 – Não se deixe influenciar pela velhice
    Pexels

    Nem pense que o seu cão não possa mais se exercitar pelo simples fato de ele já ter muita rodagem. “Sem exercício, aumentam as chances de ganho de peso na medida em que os anos avançam”, diz o doutor Werber.

    Desenvolver uma rotina saudável de exercícios ajuda o animal sênior a combater problemas nas costas, como hérnias de disco, por exemplo.

     

    4 – Decifre os sinais que o cão emite
    Pexels

    Quem é o maior especialista sobre as necessidade de exercícios e capacidades do seu cão? Ele mesmo. É importante passar um tempo aprendendo a “ler” o seu pet. Peça ajuda ao veterinário para entender a linguagem corporal do animal e adotar a quantidade apropriada de exercícios.

    Se o cãozinho estiver excessivamente ofegante, baixando a cabeça ou não conseguindo acompanhar a caminhada ou corrida, ele provavelmente passa a informação de que está fora dos limites de segurança. Por outro lado, se ele estiver inquieto depois do passeio, indica que a atividade não foi suficientemente desafiadora.

    O recomendável é fazer paradas e checagens periódicas, para ir diagnosticando como o animal está enfrentando a atividade. “Eles sabem dizer o que querem fazer. Precisamos aprender a interpretar”, afirma o doutor Werber.

     

    5 – Adote atividades de baixo impacto
    Pexels

    Em geral, atividades como caminhada e natação são gentis com as articulações dos cães idosos. “Claro que você nunca deve deixar o seu pet perto de um reservatório de água sem supervisão”, avisa a doutora Mathis.

    Se o seu animalzinho adora buscar e trazer as coisas que você atira, considere a força e a distância antes de jogar o objeto. Se o cão tiver de correr mudando de direção atrás de uma bolinha ou se faz movimentos bruscos de freada e aceleração, pode forçar e colocar em risco suas articulações.

     

    6 – Fique de olho no termômetro
    Pexels

    “Exercitar um cão sob um frio inclemente nunca é bom. É ainda pior caso ele seja um sênior”, alerta o doutor Werber.

    Também é preciso respeitar os limites de algumas raças quando o assunto é a temperatura. Por exemplo, o cães braquicefálicos (pug, buldogue francês etc.) não são capazes de se refrescar sob altas temperaturas.

    Se estiver calor demais, o recomendável é buscar uma atividade aquática ou então promover um joguinho de busca e traz dentro de casa mesmo. E certifique-se de que o animal tenha água disponível o tempo todo.

    Em dias de frio mais intenso, agasalhe o bichinho. Leve em consideração o tamanho do animal na hora de escolher a roupinha, para que proteja a maior área possível. E não se esqueça de perguntar ao veterinário se há mais recomendações e cuidados para as atividades quando a temperatura estiver baixa demais.

  • Back to top